21 março 2019

O CARÁTER DE CRISTO EM NÓS


Falar de caráter pode parecer algo desnecessário, principalmente quando o acesso a informação está mais fácil do que nunca. Ninguém precisa passar décadas dentro de uma sala de aula, estudar filosofia, sociologia, teologia, etc. para compreender os meandros do significado da palavra caráter.

Somos familiarizados com os significados desta palavra desde pequenos, quando começamos a ouvir pais e responsáveis dizendo que devemos ter um bom caráter. Crescemos sendo modelados a exercitar habilidades determinantes de alguém que seja, reconhecidamente, um bom caráter.

Em linhas gerais, basta a pessoa ser boa pagadora; não viver envolvida em confusões, brigas discórdias; procurar obedecer todas as regras e caminhar de forma justa e honesta para ser reconhecida como uma pessoa de boa índole.

Contudo, quando olhamos as coisas a partir da perspectiva divina, tendo a Bíblia como base para algo ainda maior, para algo superior, compreendemos que o caráter cristão está acima do caráter natural. Qualquer ser humano pode fazer coisas boas e ser reconhecido por elas, mas só quem recebeu o caráter de Cristo, através da experiência do novo nascimento, pode manifestar as características de fundamentais de um discípulos de Jesus.

Em síntese, o discípulo de Jesus cumpre todas os requisitos para se ter um bom caráter aos olhos humanos, mas supera as expectativas ao caminhar de acordo com a vontade de Deus, revelada através das Sagradas Escrituras. O caráter Cristão não é algo natural, mas espiritual.

A única forma de manifestá-lo é através do reconhecimento de Jesus Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas. Quando isto acontece passamos a ser direcionados pelo Espírito Santo e aprendemos como agir e falar de acordo com a vontade do Pai.

Isto implica em não andar mais segundo nossas próprias vontades carnais, mas buscando, incessantemente, ser o mais parecidos com Cristo possível. “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.” (1 Coríntios 11: 1).

É possível que alguns questionem dizendo não ser possível ser perfeitos como Jesus. Entretanto, quem disse que seríamos perfeitos? Buscar ser iguais a Cristo é uma atitude diária e que só será possível em sua plenitude quando Ele voltar para buscar a sua igreja.

Enquanto isto, seguimos como o apóstolo Paulo, “Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus.” (Filipenses 3:12).



Leia também:




Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PERDÃO CONDICIONAL