04 outubro 2018

QUE PAÍS É ESTE?


Creio que ao escrever os versos da famosa canção, que dá título a este texto, o poeta nem imaginava a situação em que se encontraria o nosso país nos dias atuais. Possivelmente, muitas coisas seriam diferentes em cada linha. Contudo, a pergunta central continuaria sendo: “Que País é Este?

Que país é este, em que se gasta mais em investimento com artistas (muitos deles não dá nem para colocar na categoria de ruins), do que com saúde?

Que país é este, onde as pessoas estão mais preocupadas em destruir a vida das crianças, ao invés de investir em educação?

Que país é este em que pacientes morrem sem atendimento, enquanto os governantes desfrutam de hospitais cinco estrelas, que mais parece um hotel?

Que país é este, em que mulheres e homens perderam todo pudor, e agora vão para os locais públicos urinar e defecar e ainda têm a coragem de dizer que este é um ato político?
Que país é este, onde os direitos de liberdade de expressão são veementemente atacados, só porque um não vota no candidato do outro?

Que país é este, onde grande parte dos políticos (ativos em seus partidos, muitos em campanha) estão sendo investigados, presos ou com seus direitos políticos cassados e são tratados como heróis?

Que país é este onde o direito democrático de liberdade de expressão perdeu o seu valor e apenas um grupo tem o direito de se manifestar e dizer que é em defesa da sua ideologia?

Aliás, se é ideologia é no campo das ideias; se são ideias são fruto do pensamento; se é fruto do pensamento é discutível, cada um tem o seu e a liberdade deve ser respeitada.
Que país é este onde se prefere a corrupção, a roubalheira, a mentira, o errado etc.?

Que país é este que queremos deixar para os nossos filhos?

Qual será o futuro da nação?

Se pudesse responder ao poeta, lhe diria que ele estava errado apenas em uma coisa: não estão leiloando nossos índios. Estou leiloando o país inteiro!



Leia também:


👉 Cidadania na Prática
👉 Cidadãos Conscientes
👉 Devaneio Sobre as Eleições

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A ILUSÃO DA EXPECTATIVA