01 agosto 2018

PAI É PAI HERÓI!


Era só mais uma tarde de domingo, depois do almoço fomos para aquele velho campinho da Pedreira, bairro da cidade de Teresópolis, que outrora fora, como o nome sugere, uma antiga pedreira. Estava tudo normal, os times sendo tirados, aquela euforia para saber quem ficaria na “de fora”; aquela velha e saudável briga: “a primeira é minha!”, diziam os que sobraram da disputa para começar jogando.

Naquele dia estávamos lá, eu e meu irmão do meio, ainda crianças, do lado de fora orgulhosos de ver nosso pai ser escolhido para começar entre “os dois melhores times”. Esta foi uma das primeiras memórias que tenho daquele velho e saudoso campinho, que ainda está lá, no mesmo lugar, mas confesso que já não vou há algum tempo.

Voltando a história, a “pelada” já havia começado, mas sabe como é criança né? Aquele velho instinto aventureiro aflorou em meu irmão e ele saiu a procura de moranguinhos no meio do mato, ali mesmo perto daquele velho e pesado objeto de ferro que não sei para que servia, só sei que era um material da antiga pedreira e que servia de vestiário para a galera.

─ Socorro! Socorro! Socorro! – Começou a gritar meu irmão.

O jogo foi interrompido e meu pai veio correndo saber o que estava acontecendo, pegou meu irmão no colo e foi logo salvá-lo daquelas centenas de formiguinhas que atacavam ferozmente o seu pé. É verdade que isto só aconteceu porque meu irmão invadiu o seu território e pisando em seu formigueiro. Mas, a imagem do Pai Herói deixando o jogo para socorrer o seu filho não me sai da memória.

Com certeza, cenas como está de heroísmo cotidiano, aconteceram inúmeras outras vezes em nossas infâncias. É bem possível que você esteja se lembrando das suas próprias cenas de heroísmo, seja salvando seu filho (a) ou sendo salvo pelo pai. Aliás, esta é a forma natural de um filho ver o seu pai, como um herói.

É bem verdade que alguns não tiveram tal oportunidade, por diversos percalços da vida. Mas, mesmo na ausência desta figura tão importante, carrega em seus corações a marca por não os terem perto em suas vidas. Estes carregam, infelizmente, o gosto amargo da ausência do seu primeiro e grande herói. Contudo, na grande maioria, arde o desejo de ser o grande herói dos seus filhos.

Esta é a missão divina para o homem: ser o Pai Herói dos seus filhos. Qualquer coisa que atrapalhe esta missão deve ser analisada e revista, pois está o afastando de cumprir o grande propósito de sua vida.

Portanto, se assim como eu você teve um Pai Herói ou se foi privado dessa imprescindível figura, mesmo assim continua tendo a colossal missão de ser para os seus filhos o seu herói.

Porque, Pai é Pai Herói!

Pense Sobre Isto!



Não esqueça de deixar o seu comentário!


Quer mais? Vejo os links abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RESPEITO, REVELAÇÃO DO CARÁTER