05 agosto 2017

ONDE ESTÃO OS PAIS?

Adicionar legenda
Em toda história da humanidade nunca se viu uma geração com tanta falta de referencial como temos visto nos últimos dias. Até pouco tempo, por mais que os pais tivessem seus compromissos profissionais, havia uma preocupação que girava em torno do acompanhamento e desenvolvimento dos filhos. Infelizmente, o que mais encontramos hoje são crianças e adolescentes “jogados” a própria sorte.

Se outrora havia a ansiedade de ensinar os filhos a ética, a moral, os bons costumes, a religião, etc., hoje já não há mais. Muitos pais, na tentativa de justificarem-se, jogaram a responsabilidade da educação para cima das escolas. Contudo, sabemos que o papel dos professores não substitui o papel dos pais.

Outro problema sério é o tempo ocioso que nossas crianças e adolescentes passam em frente da TV, internet e redes sociais, sendo discipulados por inúmeras pessoas diferentes e com mentalidades completamente deturpadas e longe dos padrões estabelecidos pela Palavra de Deus. Nesse período ficam a mercê de pessoas inescrupulosas, que acabam se aproveitando da situação para imprimir suas ideias malignas na mente deles. Aqui surgem os espaços para entrada da magia negra, prostituição, pedofilia e jogos no estilo “baleia azul”.

Um terceiro problema se dá no ambiente social – fora de casa e da escola – em que eles convivem, afinal, por não terem a fiscalização e acompanhamento do papai, ficam perambulando pelas ruas, praças e shoppings, vulneráveis ao assédio das drogas, álcool, cigarro e outros envolvimentos prejudiciais ao seu crescimento e saúde.

Não podemos permanecer alheios a esses problemas, precisamos lembrar que está em jogo o futuro de nossos filhos. É preciso que os pais dessa geração se conscientizem de suas responsabilidades, passem mais tempo com os seus filhos, se preocupem com a saúde emocional e física deles, dando importância as prioridades da criança em detrimento das suas próprias vontades.

Urge a necessidade de que os pais assumam o seu papel de pai! A maior riqueza que temos não são os bens que podemos adquirir, mas a salubridade e de nossas famílias e filhos!

A responsabilidade na educação e desenvolvimento emocional saudável das crianças é, com toda certeza, dos pais.

“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” (Provérbios 22:6).

03 agosto 2017

A PATERNIDADE É UM LEGADO

Muito tem sido falado nos últimos dias sobre paternidade na igreja. Normalmente levando para o lado espiritual e, consequentemente, para o relacionamento com Deus Pai. Contudo, não podemos ignorar a importância desse relacionamento para uma vida humana saudável. Isso porque, quando Deus estabeleceu esse relacionamento, seu objetivo era deixar para o homem um legado para gerações futuras, além de tipificar o arquétipo de paternidade divina.

Dessa forma, quando falamos em paternidade, estamos estabelecendo um padrão de relacionamento entre um adulto e uma criança, com objetivo de moldar o coração e o caráter do infante, a fim de que se torne um adulto consciente de suas tarefas, de seu comportamento e relacionamentos.

O problema é que a queda trouxe uma distorção em relação a essa tarefa deixada pelo Criador. Por causa do pecado os pais foram, gradativamente, deixando de lado sua responsabilidade, sobrecarregando a figura materna com inúmeras atividades familiares e tornando-se meras figuras decorativas dentro do lar.

Entretanto, o propósito inicial de Deus era que o homem assumisse seu papel de pai, acolhendo os seus filhos em amor e ensinando-lhes através de suas palavras e exemplos de vida o caminho correto para uma vida saudável e feliz.

Quando um pai deixa de exercer essa tarefa com seus filhos, acaba causando inúmeros problemas emocionais, familiares e sociais. Emocionais porque atinge a criança e seus sentimentos. Familiares, pois causa desordem na estrutura familiar estabelecida pelo Criador como modelo de segurança para o indivíduo e social, pois abandona a tarefa de educar a criança para conviver em harmonia com os seus semelhantes. Como consequência são formados indivíduos egoístas, traumatizados e sem referência paterna.

A paternidade é um legado deixado de pai para filho. Mais do que apenas gerar, ela é uma missão delegada por Deus para o indivíduo.

NOSSO SOCORRO