16 abril 2014

OS BENEFÍCIOS DA GRATIDÃO

Você já parou para meditar como temos inúmeros motivos para ser gratos ao Senhor. Em todas as áreas de nossas vidas existem pequenas e grandes coisas pelo qual devemos agradecer.
Infelizmente, as pessoas perdem tanto tempo focando sua atenção naquilo que não aconteceu, no projeto para o futuro, nas coisas ruins, etc., que acabam perdendo a oportunidade de louvar ao Criador pelas dádivas recebidas.
Mesmo aqueles que estão passando por algum problema sério, ainda assim, se observarem atentamente, perceberão quantos motivos ainda existem para exercer a gratidão. Independente do momento da vida, sempre haverá algo NOVO a agradecer.
 O simples fato de estar respirando já é um belo motivo de júbilo. O dom da vida é algo inigualável, indescritível, e merece ser comemorado a cada instante. Se você está lendo esse texto, ou se está ouvindo alguém ler para você, isso já é um pretexto para exercitar sua gratidão.
Pessoas gratas são mais felizes; elas são mais maleáveis; estão sempre de bem com a vida, mesmo em momentos de dificuldade, onde parece que o barco irá naufragar. Os agradecidos são tidos como loucos e irracionais, mas têm a consciência de que tudo que possuem faz parte de algo maior e mais profundo.
Ser grato não significa gostar de sofrer, mas enfatizar aquilo que lhe faz feliz. É deixar seu coração se prender apenas naquilo que lhe dará prazer, que tornará sua vida melhor e cada momento único. É abrir as asas da verdadeira liberdade e desfrutar intensamente de cada benefício alcançado durante seu breve tempo de vida.
Caso pense não haver motivos na sua vida para agradecer, lembre-se de agradecer por aquilo que tem, mesmo que seja bem pequenino esse já é um enorme motivo para ser grado. Como disse o apóstolo Paulo: “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” (1 Tessalonicenses 5: 18).

08 abril 2014

A MOTIVAÇÃO CIRCUNSTANCIAL X A MOTIVAÇÃO PLENA

Através de seu exemplo de vida Jesus nos ensina a caminhar motivados por um propósito principal. Ele nos mostra a importância de perseguir um projeto, e não uma posição, ou um status. Aqueles que buscam apenas a posição estão motivados pelo desejo ilusório da fama. Porém, quando ela chega - se chegar - perdem-se, pois nunca tiveram um alvo definido.
Caminhar debaixo de um objetivo significa ter a consciência de que o seu motivador não é algo passageiro, efêmero, mas que transcende a compreensão humana. Enquanto os fariseus buscavam reconhecimento humano – status e fama – Jesus trabalhava por algo superior, pois tinha em mente o projeto de cumprir a vontade do Pai.
Trabalhar por um propósito é não perder o foco da missão. Aliás, o que a maioria não entende é que o cumprimento da missão é maior do que qualquer glória humana. O propósito não deixa a pessoa sair da rota, pois é algo concreto. Mas, quando se busca as coisas passageiras do mundo, tudo parece ter mais valor do que a meta.
Por isso muitas pessoas vivem desorientadas, levadas de um lado para o outro por inúmeras doutrinas, pois cada coisa nova é mais atrativa do que a anterior.
Essa era a intenção de Paulo quando disse para Timóteo não se deixar levar pelas histórias de velhas caducas. O Apóstolo queria ensinar-lhe que o desejo de completar a missão precisa ser mais importante do que as influências externas.
Essa é a diferença entre uma motivação circunstancial, para uma motivação plena. A primeira busca satisfazer os prazeres efêmeros da vida. Enquanto a segunda está fundamentada em um propósito superior.

A visão do projeto é o maior objetivo daqueles que querem superar-se. Uma mente focada não permite que algo a tire da rota. Nenhum atalho tem valor para aqueles que vivem movidos por algo que transcenda a sua vontade. Pessoas focadas estão preocupadas com a realização dos seus objetivos. Nada a desvia do seu foco.

04 abril 2014

É PRECISO RESTAURAR O ALTAR DE ORAÇÃO

Caro Leitor,
nos últimos anos temos observado, muitas vezes inertes, aos ataques avassaladores contra as famílias. Infelizmente, até mesmo nos lares cristãos, considerado por todos um porto seguro, está sofrendo com os bombardeios que surgem de todas as direções.
Diante dos atuais acontecimentos, a realidade da maioria das famílias tem sido a divisão, a frieza e a solidão. É como se os alicerces sustentadores dos lares tivesse desmoronado, deixando apenas corações dilacerados.
Tudo isso tem acontecido porque a humanidade tem colocado sua esperança naquilo que não pode satisfazer o clamor agonizante de sua alma. De certa forma, o caos instalado nas famílias é apenas um reflexo daquilo que as pessoas estão vivendo.
Parafraseando o que Jesus disse certa vez, o homem só pode tirar do depósito do seu coração aquilo que ele guarda em abundância. Sendo assim, como amar se seu depósito de amor está vazio? Como respeitar se nunca aprendeu o significado do respeito? Pessoas vazias só podem repassar o “nada” que governa o seu coração. As famílias são apenas um espelho do imenso vazio existencial dos seus membros.
Se observarmos bem, todos esses problemas começaram quando se tirou Deus do centro da sociedade. Primeiro O expulsamos das escolas; depois das repartições públicas e, por fim, de nossas casas. Já não há mais reverência; a palavra foi deixada de lado e o altar de oração foi quebrado.
É preciso restaurar o altar de oração; colocar Deus no lugar de onde nunca deveria ter saído, o centro de nossas vidas e nossas casas. Infelizmente, quando o altar de oração se quebra outros deuses são levantados e passam a tomar conta desse vazio.
Quando isso acontece às brigas, as discórdias, as frustrações e o rancor tomam conta dos relacionamentos. Esse é o motivo da infelicidade reinar soberana nas famílias.
Todavia, Deus não nos criou para viver dessa maneira. Seu propósito principal são famílias vivendo em harmonia. A única maneira de isso acontecer é trazendo de volta a presença de Deus. Dessa forma, urge a necessidade de restaurarmos o altar de oração na família.
Esse mês a igreja Filadélfia está lançando um projeto ousado, intitulado: “RESTAURANDO O ALTAR DE ORAÇÃO NA FAMÍLIA”, estamos conclamando a todos para restaurar os altares quebrados e recolocar a presença de Deus no centro de cada família. Seja você também um propagador dessa ideia, comece pela sua casa e depois repasse para seus amigos.

02 abril 2014

ALTARES QUEBRADOS, VIDAS DESTRUÍDAS

Caro Leitor,
não é de hoje que a rotina das famílias mudou drasticamente. Em todos os lares, desde os mais simples até os mais sofisticados, perdeu-se o temor e a reverência por alguns princípios básicos como a oração, a leitura da palavra e a adoração. Esses fundamentos eram essenciais para a manutenção da unidade familiar.
Infelizmente, com a desculpa da modernização, não há mais um relacionamento afetivo verdadeiro. Pelo contrário, na maioria das casas, inclusive nas cristãs, tudo que se encontra é frieza, insensibilidade, feridas emocionais e distanciamento. As pessoas não passam de estranhos dividindo o mesmo teto.
O lugar outrora conhecido como fortaleza da humanidade hoje possui o maior índice de destruição. Por incrível que pareça, é nos lares onde são produzidos os maiores traumas e feridas na alma.
Como consequência desse fenômeno, estamos vivendo em uma sociedade doente, repleta de mazelas, incapaz de reproduzir outros cidadãos sadios e prontos para conviver em comunidade.
Se antes os pais eram os grandes heróis dos seus filhos, hoje parece que se tornaram os grandes vilões da história; aquela velha cumplicidade familiar deu lugar a grandes e pequenas desavenças. Antigamente as famílias eram sinônimo de credibilidade, atualmente indicam vergonha e dor.
Esse lastimável processo de degradação se deve a perda de alguns valores primordiais para o pleno desenvolvimento do indivíduo como agente produtor da sua própria história. O homem virou as costas para Deus; abandonou as instruções da sua palavra e se desviou do caminho da verdade. Por causa disso, nossa sociedade passou a produzir indivíduos egoístas, materialistas e incrédulos.
Deixamos de lado a adoração; quebramos os altares de oração e eliminamos das nossas tarefas diárias a leitura da palavra, coisas essas que produziam unidade familiar. Como consequência, a maioria vive uma vida medíocre, oscilando entre momentos de angústia e uma pseudo-felicidade.
Sendo assim, é imprescindível que restauremos os altares de oração nas famílias. É preciso trazer de volta para os lares o prazer da busca pela presença de Deus.
Restaurar o Altar de Oração na Família é fundamental para a saúde e o bem estar de todos os seus membros. Mais do que isso, é um clamor de socorro pela restauração da unidade familiar, da amizade, do amor e da adoração.

Que tal fazer parte dessa campanha? Comece você RESTAURANDO O ALTAR DE ORAÇÃO na sua família. Com certeza você se surpreenderá com o cuidado e proteção divina sobre sua casa.

VENCENDO A PRODIGALIDADE