02 fevereiro 2019

ESPERANÇA PARA O FUTURO


O mundo tende a olhar para nós cristãos com certa ironia, aquele velho ar de deboche e muita desconfiança. Tudo por causa da crença de que não somos meros mortais esperando o momento de deixar esta breve existência, mas filhos convictos de um Deus poderoso, que nos prometeu uma morada eterna.

Quando olhamos para os noticiários e manchetes de jornal, sejam eles online ou impressos, temos a sensação de que estamos vivendo uma era onde as pessoas perderam, completamente, a esperança em relação ao seu futuro. É como se, por mais evoluções que estejamos vivenciando acontecer, o medo e a incerteza permeiem seus pensamentos.

Pior ainda, quando observamos a constante busca por respostas: de onde viemos? Quem somos? Para onde estamos indo? Questionamentos como estes têm levado um número incontável de indivíduos a procurarem uma resposta em diversos meios diferentes (ciência, religião, esoterismo, astrologia, etc.).
Isto sem contar um número ainda maior que tem apoiado suas expectativas em coisas efêmeras, perdendo a maior parte do seu tempo na tentativa de suprir suas carências físicas, emocionais e espirituais em coisas que não lhes trará benefícios a longo prazo.

Contudo, no fundo, todos estão à procura da mesma coisa, algo que possa lhes dar uma verdadeira direção em relação ao seu futuro. O dinheiro, os bens, o poder, etc., são apenas tentativas frustradas de saciar a verdadeira sede da alma. O que não percebem é o quanto têm perdido o foco daquilo que realmente importa: a eternidade.

Isto me fez lembrar um episódio da vida do nosso Senhor Jesus em que, ao perceber o sentimento de desesperança dos discípulos em relação ao futuro, lhes transmite um ensinamento poderoso que regeria toda a história de suas vidas e das gerações futuras de novos discípulos:

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.” (João 14:1-3).

A certeza de que Jesus irá voltar não é apenas uma simples crença, um dogma da igreja cristã, ela é o que nos motiva, nosso norte, nossa convicção de que haverá um lugar onde poderemos morar. Mas, acima de tudo, nela está a certeza do cumprimento da promessa do nosso Senhor e Rei, Jesus.

Este é o motivo pela qual o mundo nos chama de alienados, pois cremos na volta de Jesus, nas nuvens do céu, e na sua promessa de uma morada eterna. Nesta certeza nos movemos, trabalhamos e vivemos.




Leia também:






01 fevereiro 2019

A MAIOR EXPECTATIVA CRISTÃ


A expectativa da volta de Jesus permeia toda a experiência da vida cristã. Esta é uma esperança viva que determina o nível de relacionamento, entrega e fé de cada discípulo de Cristo.

Isto porque, não é possível acreditar apenas na morte e ressurreição de Jesus e ignorar o fato de que um dia Ele voltará para buscar a sua igreja. Este último evento faz parte de uma promessa que o Mestre fizera aos seus discípulos quando ainda estava vivo.

Desta forma, crer em Jesus implica, impreterivelmente, em crer no seu retorno nas nuvens do céu. Não somente isto, mas também ter fé na promessa de um novo lar.
Esta é nossa maior esperança; nela nos movemos e sobre ela pregamos.

Seguindo os ensinamentos dos apóstolos, cremos que Deus enviou seu filho unigênito para salvar o mundo; este fora morto pelos nossos pecados, reconciliando-nos com Deus; ao terceiro dia, o mesmo Jesus ressuscitou dos mortos e hoje vive a destra de Deus Pai, aguardando o dia do seu retorno para buscar a sua igreja, a qual fazemos parte.

Por este motivo, arde em nosso coração o mesmo sentimento dos apóstolos do primeiro século: o retorno de Jesus Cristo para buscar a igreja. Juntos, unimos nosso clamor as orações dos cristãos antes de nós, que ecoam pelos séculos, até o trono de Deus e dizem: 

“Maranata! Ora vem Senhor Jesus!”




Leia também:





31 janeiro 2019

DIA DOS FILHOS


Gosto de comemorar o dia dos filhos!

Aliás, faço isto todos os dias! Fico contando as horas para chegar em casa na hora do almoço e encontrar minha pequena.

Tem dias que ela me recebe com um sorriso; outros se escondendo e rindo esperando que vá procurá-la; alguns ela nem quer falar comigo, o que respeito, pois existem momentos que também não quero falar com ninguém.

Gosto de no dia a dia dos filhos deixá-la na escola, mesmo quando não ganho nem um beijo de despedida e a vejo entrando na sala de aula sem nem olhar para trás. Fico contando as horas, minutos e segundos para poder pegá-la no colégio e irmos juntos para casa.

Isto sem contar aqueles momentos maravilhosos das brincadeiras, dos abraços, dos sorrisos e peripécias do dia a dia dos filhos.

Nos nossos dia a dia tem de tudo e cada segundo junto é extremamente importante. Até mesmo quando nos arrumamos, felizes da vida, para tirar aquela linda foto em família e a criança fica emburrada, com a mão na boca e o olhar para longe das câmeras.

Ah! O dia a dia dos filhos... Repletos de alegria, de prazer, de birras e pirraças, mas são nossos filhos e não existem momentos mais maravilhosos do que estar com eles todos os dias.

Faltam-me palavras para dizer o quanto é maravilhoso cada dia a dia dos filhos...


30 janeiro 2019

(RE) APRENDENDO COM AS CRIANÇAS


Quando ficamos “adultos demais”, e nos esquecemos da importância de sermos criança, Deus nos presenteia com filhos, só para nos lembrar que ainda precisamos ter a alegria, a sinceridade, a pureza, o carinho, o amor... As qualidades de uma criança. Essa é a maneira divina de ressuscitar a criança escondida em cada um de nós!

Infelizmente, muitos preferem permanecer com o coração endurecido, perdendo a oportunidade de desfrutar da plenitude dos relacionamentos e dos aprendizados que surgem através da simples observação das atitudes e escolhas de uma criança.

Por exemplo, elas são amáveis, mas nunca insinceras. Não têm qualquer dificuldade em concordar ou discordar de alguém. Pelo contrário, são extremamente transparentes e dizem aquilo que pensam.

Pautam suas escolhas em desejos puros e verdadeiros, sem meias palavras e completamente comprometidas com seus projetos (brincadeiras). Vivem sem desperdiçar o tempo, aproveitam cada segundo da vida como se fosse o último; são intensas em tudo que fazem e buscam seus objetivos sem se preocupar com a opinião dos demais. É claro, uma criança ainda não possui a noção do certo ou errado, mas o que podemos aprender é a permanecer fieis ao propósito, persistência e resiliência.

Sabe o que nos impede de observar estas coisas e reaprender? Uma coisa chamada orgulho!

Infelizmente, tendemos a achar que somos experientes demais para continuar aprendendo. Principalmente, quando se trata de aprender com aqueles que achamos serem “inferiores” em conhecimento.

Contudo, se tivermos a humildade de olhar para a beleza, simplicidade e leveza das crianças, com certeza, conseguiremos adquirir grandes aprendizados. Ou seria melhor dizer readquirir?

De qualquer forma, pense sobre isto!




15 janeiro 2019

A BASE DA FÉ


A fé não é baseada em sentimentos, pois estes podem variar de acordo com as circunstâncias. Também não é fundamentada na razão, pois esta trilha os caminhos da lógica. A fé tem como foco principal Deus, que age além do sobrenatural.

Então o que fazer, ignorar sentimento e razão? De forma alguma! Todavia, precisamos nos lembrar sempre que os dois nos ligam ao mundo natural e são indispensáveis para uma vida humana saudável. Porém, o ser humano carrega em seu interior a semente divina, sendo assim um ser espiritual, e “as coisas espirituais só podem ser discernidas espiritualmente.” (1 Coríntios 2: 14).

A fé nos faz ver coisas que são desprezadas pela razão e ignoradas pelos sentimentos. Através dela conseguimos olhar além do que os olhos naturais podem ver e projetar, no mundo espiritual, coisas antes nem imaginadas no mundo físico.

Razão e sentimentos tocam corações e mentes, mas a fé opera no mundo dos milagres, no sobrenatural, nos levando a crer que é possível, mesmo quando tudo diz que não.

Como viver em fé? “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé [...]” (Hebreus 2: 2ª).




Leia também:

👉 Ir Além
👉 A vida é Feita de Sonhos
👉 Os Sonhos de Deus em Nós

06 janeiro 2019

PERDOAR, UMA ATITUDE A SER COLOCADA EM PRÁTICA


Todo relacionamento passa por algum tipo de dificuldade. Esta pode ser motivada por uma atitude inaceitável, uma palavra dita na hora errada, uma escolha mal feita, divergências de pensamentos ou pela simples expectativa não correspondida.

A verdade é que, na maioria das vezes, aquilo que gerou a discórdia no relacionamento é tão insignificante que quem cometeu pode nem perceber que fez algo de errado. Só quando o outro denuncia é que irá notar a possível falha.

O pior ocorre quando a parte ofendida decide guardar a ofensa. Nestes casos, o problema pode perdurar por dias, meses e anos, mas um dia virá à tona, produzindo novos problemas, discórdias e, consequentemente, uma vida emocional destruída.

O segredo para manter uma vida emocional saudável e relacionamentos harmoniosos está, justamente, na capacidade individual de resolver os problemas internos, antes que eles se transformem em “monstros” pessoais.

Talvez por isto o apóstolo Paulo tenha ensinado aos cristãos em Éfeso a não deixarem “o sol se pôr sobre a vossa ira.” (Efésios 4:26). Afinal, quando se alimenta sentimentos tóxicos é como dar comida para um urso faminto e fortalecê-lo.

Problemas de relacionamento devem ser resolvidos, não protelados. Isto não significa “vomitar” tudo que está sentindo, como se o outro fosse o único responsável pelo problema. Mas, compreender que existe a possibilidade, inclusive, de não ser a única pessoa na relação se sentindo mal com a situação.

Na maioria dos casos, a outra parte também está se sentindo ferida, pois em um conflito de interesses ambas as partes fazem e falam coisas que atacam e agridem o outro também. A verdade é que ninguém é perfeito. Todos ferem e são feridos; falam e escutam o que não deveriam; atacam e são atacados; sentem-se ofendidos, mas também ofendem.

Em contra partida, todos também são responsáveis por atitudes de reconciliação; por amar nos momentos de dificuldade; por perdoar e pedir perdão em caso de ofensa; por deixar o orgulho de lado e agir com humildade; por atos de misericórdia, etc.

É justamente nos conflitos que precisamos aprender a exercer o verdadeiro sentido de algumas palavras. Por exemplo, quando aprendemos o significado do verbo perdoar, compreendemos que os erros dos outros são apenas oportunidades para que possamos exercer a atitude de perdoar.

As circunstâncias da vida são apenas ferramentas divinas para trabalhar em nosso caráter e nos ensinar a viver a plenitude da sua vontade em nós. As pessoas que Ele coloca ao nosso redor estão ali para nos ajudar nesta tarefa de transformação, bem como também somos instrumentos divinos para ajudá-las a crescer.



Leia também:





04 janeiro 2019

APRENDENDO NOVAS ATITUDES EM MEIO AS ADVERSIDADES


A vida é feita de relacionamentos, estes são motivados por encontros, onde expressamos sentimentos e, com altíssimas possibilidades, tais encontros podem ser marcados por discordâncias. Afinal, em um relacionamento existem, pelo menos, duas pessoas pensando e desejando coisas completamente diferentes.

Mesmo aqueles que decidiram, por algum motivo, caminhar sozinhos, em algum momento terão que se relacionar com alguém. Seja para realizar uma compra, receber uma carta, pagar uma conta, etc.

Nesta dinâmica social de encontros, reencontros e desencontros é possível que as pessoas cometam deslizes que levarão o outro a sentir-se ofendido. Quando se reuni em um mesmo lugar indivíduos completamente diferentes, com pensamentos totalmente discrepantes e maneiras de agir e reagir distintas, isto pode trazer conflitos.

Se pensarmos bem, os conflitos fazem parte da vida e são fundamentais para o desenvolvimento saudável dos relacionamentos. Basta pensarmos que eles são apenas oportunidades para realização de ajustes, imprescindíveis para a salubridade de uma relação (seja ela amorosa, de amizade, profissional, religiosa, etc.).

O verdadeiro problema não está nos conflitos. Mas na maneira como cada pessoa reage diante deles. Por exemplo: um casal que discorda da maneira como as finanças familiares são geridas tem, pelo menos, duas oportunidades pela frente:

1) utilizar a dissonância de pensamentos para crescer, buscando aqui uma conciliação, ajuda profissional ou de conhecidos;

2) Deixar que este problema se agrave, interfira na relação e produza sentimentos tóxicos que, se não forem tratados, levarão a uma convivência ruim ou ao fim do casamento.

Como já dissemos acima, o problema não está nos conflitos, mas na maneira como reagimos diante deles. Nossas atitudes no momento da crise é que produzirão o combustível necessário para vencermos ou sucumbirmos diante da adversidade.

A única forma de mantermos os relacionamentos saudáveis é aprendendo com os conflitos, eliminando tudo aquilo que seja tóxico para a relação e valorizando os novos comportamentos, adquiridos neste processo. Quando agimos desta maneira, estamos estabelecendo um parâmetro de atitudes capazes de manter os relacionamentos saudáveis.

Lembre-se: os problemas são apenas oportunidades de aprendermos novas maneiras de agir. 

Pense sobre isto!



Leia também:


👉 Ir Além
👉 A vida é Feita de Sonhos
👉 O Valor dos Relacionamentos

ESPERANÇA PARA O FUTURO